Manifestações atrapalham administrativo e professores podem ficar sem salário

A Secretaria de Estado da Educação alerta que se o sindicato continuar obstruindo a entrada dos funcionários nos Núcleos Regionais da Educação (NREs) e nas escolas nesta quarta-feira (1), quando inicia a distribuição de aulas na rede estadual, os professores correm o risco de ficarem sem suprimento de aulas e, portanto, sem pagamento.

A secretária da Educação, professora Ana Seres, explica que o suprimento de aulas dos professores referente a 2016 já está cancelado. Agora, o sistema está preparado receber os novos suprimentos do ano letivo de 2017.

Ela esclarece que o pagamento é gerado considerando o número de aulas atribuídas no processo de distribuição. Se esse processo de distribuição for atrapalhado pelas manifestações, os próprios profissionais serão prejudicados na contagem de aulas, que gera o pagamento. “Alguns tipos de serviço, os funcionários dos Núcleos ou de escolas até podem fazer em outros locais, mas especificamente esse sistema só é acessado dentro dos núcleos e escolas”, explicou.

ORIENTAÇÃO – Desde o início das manifestações, na última segunda-feira (30), a orientação da Secretaria da Educação aos núcleos tem sido a de solicitar a segurança à Polícia Militar, fazer boletim de ocorrência e encaminhar os documentos à Procuradoria Geral do Estado, para que sejam providenciados os pedidos à Justiça de liberação dos prédios.

As manifestações causam outro inconveniente: os professores que estão tentando protocolar os pedidos de laudo da perícia médica para participarem da distribuição de aulas extraordinárias não conseguem entregar a documentação nos Núcleos que estão trancados pelos manifestantes. O prazo para protocolar esse pedido vai até o dia 02 de fevereiro.

Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em:
http:///www.facebook.com/governopr e www.pr.gov.br

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
  • Cotações do dia