Primeiro sistema de abastecimento de água do Paraná poderá ser tombado

Pedido ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional foi feito recentemente pela Sanepar

A Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN-PR) reiniciaram o processo de tratativas para o Tombamento Federal do primeiro sistema de abastecimento de água no Paraná.

Junto à Serra do Mar, nos Mananciais da Serra, em Piraquara, a construção do sistema foi iniciada em 1904 e ainda ali permanecem o conjunto dos 17 reservatórios que abasteceram Curitiba. A partir de 1908 até 2004, do Reservatório do Carvalho, o principal, uma grande tubulação de 38 km levava água até o reservatório do Alto São Francisco, em Curitiba, abastecendo a capital paranaense.

Recentemente, representando a Sanepar, o técnico em Patrimônio Histórico, Manoel César Santos, se reuniu com a equipe do IPHAN para apresentar um dossiê com cópias de documentação, vídeos, fotos históricas, projetos e relatórios da antiga Empresa de Melhoramentos do Paraná, do Departamento de Água e Esgoto e da Sanepar referentes aos Mananciais da Serra e Reservatório São Francisco.

Manoel explica que o pedido atual foi feito em novembro de 2016, com um dossiê contendo uma extensa e diversa documentação sobre o primeiro sistema de abastecimento de água do Estado, e que este foi o início de um longo processo. Este é o terceiro pedido de tombamento solicitado pela Sanepar.

“A impressão que o IPHAN nos passou é que a riqueza histórica, a tecnologia utilizada na época e a função do ‘sistema’ contribuirão para que o processo transcorra com bons resultados e, assim, Curitiba, Piraquara e o Paraná possam vir a ter esses bens tombados em nível federal”, afirmou. O técnico explica que o tombamento é uma garantia de preservação. “Esse pedido fortalece a imagem da Sanepar e a história do saneamento do Paraná e de Curitiba. Assim, a história pode ser contada para as próximas gerações”, diz.

A partir de agora, o Departamento de Patrimônio Material e Fiscalização (DEPAM) deve analisar se o pedido é coerente e, depois, a documentação passará por uma análise jurídica, que pode produzir uma notificação tornando o bem tombado provisoriamente até que o Conselho Consultivo aprove o pedido e o Ministro da Cultura homologue. Caso o Conselho ou o Ministro recusem, o tombamento provisório deixa de existir. Ao ser aprovado pelo Ministro, o primeiro sistema de abastecimento será inscrito no Livro do Tombo e, então, se tornará um bem tombado definitivamente.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
  • Cotações do dia