Saúde alerta para as diferenças entre dengue e chicungunya

Os últimos dados do Boletim da Dengue, divulgados esta semana pela Secretaria de Estado da Saúde, mostram que, no período 2016/2017, o Paraná já registrou um total de 548 casos autóctones de dengue, sendo que na última semana houve um aumento de 1,15% neste número e um total de 12 casos autóctones de chicungunya. Apesar de possuírem sintomas parecidos, estas duas doenças são bem diferentes.

As duas doenças são adquiridas pela picada do Aedes aegypti e em ambos os casos é normal que as pessoas sintam dores pelo corpo. Mas prestar a atenção em como estas dores se manifestam pode ser um primeiro passo para acertar no diagnóstico.

Enéas Cordeiro, médico da Divisão de Doenças Transmitidas por Vetores, afirma que há diferenças em como estas dores se manifestam: “O vetor, ou seja, o agente transmissor, é o mesmo. Dengue e chicungunya são bem parecidas. Mas enquanto os pacientes de dengue normalmente sentem dores por todo o corpo, quem tem chicungunya costuma sentir muitas dores nas juntas e articulações”.

Outro ponto a ser observado é o tempo. Com a dengue, os sintomas de dores e febre alta duram no máximo uma semana. Já com a chicungunya, em alguns casos a febre pode durar até três semanas e as dores nas articulações podem persistir por meses. “Existem casos de pessoas com chicungunya que ficaram mais de seis meses em tratamento”, afirma Enéas.

PREVENÇÃO – A maneira de se prevenir contra a dengue e a chicungunya é a mesma. Como ambas são transmitidas pela picada do mosquito, a melhor forma de afastá-lo é eliminar os possíveis focos. E fazer isso é fácil. Cuidados com não deixar água parada em vasos, pneus, brinquedos no jardim e afins são uma ótima maneira. Verificar constantemente sua caixa d’água para certificar-se de que ela está limpa, bem fechada e sem frestas também é uma excelente maneira de manter a saúde por perto e as doenças bem longe.

SERVIÇO – Caso surjam os sintomas da dengue ou da chicungunya o melhor a fazer é procurar imediatamente a unidade de saúde mais próxima. Quanto mais rápido iniciar o tratamento, mais eficiente ele será. Se você não souber onde fica a unidade de saúde mais próxima, entre em contato com a Secretaria de Saúde de seu município.

Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em:
http:///www.facebook.com/governopr e www.pr.gov.br

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
  • Cotações do dia