Soluções para os problemas da saúde e formas de combate à violência são debatidas em Foz

“A União não aplicou o mínimo em Saúde no ano passado”, afirmou a procuradora Élida Graziane Pinto, do Ministério Público de Contas do Estado de São Paulo, ao abrir os debates promovidos nesta quarta-feira (7) pela Secretaria de Saúde e de Mulher, durante a 21ª Conferência Nacional dos Legisladores e Legislativos Estaduais (CNLE), que está acontecendo em Foz do Iguaçu, dentro da programação da 21ª Conferência Nacional dos Legisladores e Legislativos Estaduais.

A procuradora paulista, que fez uma palestra intitulada “Subfinanciamento do Direito Fundamental à Saúde: uma perspectiva constitucional e judicialização na Saúde”, disse que é relevante debater a fragilidade das gestões neste momento em que acabaram de ocorrer mudanças nas administrações dos municípios. Na avaliação dela, que apresentou dados de pesquisas e estudos, o que existe é a falta de financiamento adequado. “A população almeja melhorias na Saúde. Isso aparece em qualquer levantamento e temos que buscar formas de enfrentamento dessa situação”, acrescentou. Segundo ela, o governo federal deixou de investir mais de R$ 2 bilhões nesta área em 2016.

A deputada estadual sergipana Goretti Reis, presidente do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde e presidente da Secretaria de Saúde da Unale, destacou a importância do seminário pelas dificuldades que o setor enfrenta: “Precisamos entender essas complexidades e encontrar caminhos alternativos para este país que está em transformação”, frisou.

Violência – Na sequência, ocorreu ainda o painel “Ações de Mobilização e Prevenção ao Sexismo, Machismo e à Violência”, desenvolvido pelo psicólogo Daniel Cardoso Costa Lima, mestre em Saúde Pública, conforme promoção da Secretaria de Mulher da Unale, presidida pela da deputada estadual mineira Celise Laviola.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
  • Cotações do dia