Pesquisa aponta que Porto de Paranaguá está melhor em todas as áreas, se comparado com cinco anos atrás

A Comissão de Obras Públicas, Transportes e Comunicação da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) divulgou, nesta terça-feira (20), em audiência pública, o resultado de uma pesquisa de satisfação sobre o Porto de Paranaguá. O documento aponta – em todos os segmentos avaliados – melhoria da infraestrutura e dos serviços, na percepção das comunidades local e portuária, no comparativo com a situação existente há cinco anos.

A amostragem foi realizada entre os dias 20 de abril e 10 de maio deste ano em Curitiba e Paranaguá e ouviu 400 moradores locais, 300 caminhoneiros, 23 operadores portuários, sete exportadores, quatro representantes de sindicatos e dois práticos. Intitulado “Pesquisa de Satisfação dos Usuários Exportadores e Importadores do Sistema Portuário, Caminhoneiros e Moradores de Paranaguá”, o trabalho foi realizado pelo Instituto de Pesquisas Opinião.
De acordo com o deputado estadual Tião Medeiros, presidente da Comissão, o objetivo da pesquisa foi ouvir a opinião dos principais segmentos que atuam no Porto de Paranaguá, bem como da população da cidade. “A pesquisa mostrou o reconhecimento de todos os setores envolvidos na atividade portuária de que a estrutura do Porto melhorou. Além disso, os clientes, usuários e trabalhadores do Porto de Paranaguá enalteceram o avanço obtido nos últimos cinco anos”, declarou.

Para o diretor presidente da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina, Luiz Henrique Dividino, os resultados refletem o trabalho e os investimentos públicos, mas também apontam correções que devem ser feitas. “Esta pesquisa será uma ferramenta para a continuidade do que foi bem avaliado e para melhorias de alguns apontamentos que merecem sinal de alerta”, comentou.

EXPORTADORES – Entre os Exportadores que responderam a pesquisa, 85,71% disseram que as mudanças implementadas no Porto melhoraram a produtividade de suas empresas. Sendo 0 a nota mínima e 5 a nota máxima, todos eles deram nota 4 para o Porto de Paranaguá e disseram que a infraestrutura melhorou, se comparada à que existia há cinco anos.

O representante da Federação da Agricultura do Estado do Paraná (Faep), Nilson Camargo, que foi um dos entrevistados pela entidade na pesquisa, disse que o documento reflete a opinião do agronegócio. “Este documento formaliza o consenso de que houve uma grande evolução no Porto de Paranaguá”, afirmou.

O diretor de planejamento e gestão da Fecomercio, Rodrigo Rosalem, destacou a iniciativa. “A pesquisa mede a realidade e abre a possibilidade de melhorias. Em termos de resultados, temos que parabenizar a gestão da Appa pelo que foi feito até agora e torcer para que o trabalho seja mantido no futuro”, reforçou.

Entre os órgãos entrevistados, estão a Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), Associação Comercial de Paranaguá (ACP), Federação da Agricultura do Estado do Paraná (Faep), Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (Ocepar), Federação do Comércio do Estado do Paraná (Fecomércio), Federação das Associações Comerciais e Empresariais do estado do Paraná (Faciap) e Federação das Empresas de Transportes de Cargas do Paraná (Fetranspar).

SINDICATOS – No total, 75% dos trabalhadores filiados aos Sindicatos entrevistados disseram que as mudanças implementadas no Porto melhoraram as operações e os ganhos dos Sindicatos.

A nota média (entre 0 e 5) concedida para a infraestrutura do Porto de Paranaguá pelos Sindicatos foi de 4,25 e, comparada com a infraestrutura existente há cinco anos, 75% dos entrevistados acreditam que houve melhoria. Quanto ao atendimento da atual diretoria da Appa para com os Sindicatos, 100% consideram que o atendimento é melhor do que há cinco anos.

No que diz respeito à limpeza e ao gerenciamento de resíduos no cais – avaliando a melhoria da qualidade de vida para os trabalhadores portuários – 100% dos entrevistados disseram que as ações agregaram muito valor ao seu trabalho, melhorando a qualidade de vida das pessoas.

O secretário do Sindicato da Estiva no Porto de Paranaguá, Everson Fernando Leite de Farias, disse que os resultados da pesquisa, em cada segmento, refletem a realidade. “Estamos há 30 anos trabalhando dentro da faixa do cais do Porto e é impossível não notar a mudança positiva ocorrida nesta gestão em diversas áreas. Na pesquisa, por exemplo, o estivador apontou a melhoria do ambiente de trabalho, a limpeza do cais, a iluminação e a maior segurança das operações”, declarou Everson.

O presidente do Sindicato dos Estivadores de Paranaguá e Pontal do Paraná (Sindestiva), João Antônio Lozano Batista, reconhece os avanços na qualidade dos serviços e das condições de trabalho na estrutura portuária. “Estes números estão corretos, na média, porque houve uma mudança nos portos nesta atual gestão, principalmente para os trabalhadores. Nós trabalhadores vemos que mudou e não apenas para nós estivadores, mas também para os caminhoneiros. Ainda é preciso fazer evoluir o sistema de entrada no porto, mas isso está sendo conversado com a direção para que seja aperfeiçoado, já que é um sistema novo”, explicou.

O Instituto Opinião Pesquisa entrevistou representantes do Sindicato dos Estivadores de Paranaguá, Sindicato dos Arrumadores de Paranaguá, Sindicato dos Conferentes de Carga e Descarga dos Portos do Paraná e Sindicato dos Vigias de Paranaguá.

OPERADORES PORTUÁRIOS – Todos os 23 operadores entrevistados, ou seja, 100%, acreditam que as mudanças implementadas no Porto melhoraram as suas operações em Paranaguá. Para 95,24% dos operadores, a infraestrutura do Porto de Paranaguá atualmente é melhor do que a existente há cinco anos.

Se comparada a estrutura do cais de acostagem do Porto com a que existia há cinco anos, 90,48% dos operadores disseram que melhorou. Quanto aos equipamentos portuários, a avaliação foi de melhoria para 85,71% dos entrevistados e 61,90% deram a maior nota (5) para a nova metodologia de programação de navios.

Quando questionados sobre os programas socioambientais, 95,25% dos operadores disseram que as ações são muito importantes e 95,24% consideraram que o gerenciamento de resíduos está muito melhor atualmente. Sobre as obras de dragagem, 90,48% disseram que a navegação melhorou se comparada há cinco anos.

Responderam a pesquisa do Instituto Opinião as empresas Pasa, Klabin, Cargill, Coamo, Bunge, Cotriguaçu, Rocha, Martini Meat, Harbor, Gransol, TKX, Cattalini, Agência Marítima Cargonave, Transgolf, Petrobrás, AGTL, Terminal de Contêineres de Paranaguá (TCP), União Vopak, Associação dos Terminais do Corredor de Exportação (ATXP) e Associação dos Operadores Portuários do Corredor de Exportação (Aocep).

PRÁTICOS – Para os Práticos entrevistados, os questionamentos foram voltados à sua área de atuação. Ao todo, 100% atribuíram nota quatro (de 0 a 5) à infraestrutura do Porto e todos eles acreditam que a infraestrutura melhorou.

CAMINHONEIROS – Entre os 300 motoristas de caminhão entrevistados no Porto de Paranaguá, 53,67% disseram que a infraestrutura está melhor do que a existente há cinco anos.

Dos caminhoneiros entrevistados, 59% disseram que o sistema de descarga melhorou e 71,67% consideraram que a iluminação do Porto está melhor. Já a limpeza e segurança no Pátio de Triagem de Caminhões melhoraram para 67,33% dos entrevistados. O fim das filas de caminhões e o novo sistema carga online obtiveram a aprovação de 72,33% dos motoristas. No entanto, a segurança nas vias públicas de Paranaguá obteve nota zero por 64,33% dos caminhoneiros.

COMUNIDADE – Entre os 400 moradores de Paranaguá entrevistados, 76,81% conhecem o Porto e 58,10% têm orgulho do Porto de Paranaguá. A atual gestão do Porto foi avaliada como boa por 43,14% dos entrevistados e 73,57% dos entrevistados acreditam que é por meio do Porto que a cidade consegue atrair mais investimentos. 60,35% dos moradores entrevistados reconhecem que o maior benefício do Porto para a cidade é a geração de emprego e renda.

Para 61,85% dos moradores, o maior problema que o Porto gera para a cidade é a proliferação de ratos e pombos. Ao todo, 48,63% dos moradores entrevistados disseram que sem o Porto a cidade seria um caos, tendo em vista que o município depende do Porto economicamente.

Quando questionados sobre os benefícios que o Porto poderia gerar para a cidade, mas ainda não gera, 51,62% dos entrevistados responderam que deveriam haver programas de integração para escolas. No entanto, desde 2012, a Appa desenvolve o Programa Porto Escola.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
  • Cotações do dia