Do campo ao porto: técnicos da Secretaria de Agricultura visitam Porto de Paranaguá

“A intenção é mostrar como os Portos do Paraná se modernizaram, melhoraram a infraestrutura e os processos de segurança, para ampliar a capacidade de movimentação de grãos. O produtor rural paranaense produz como nunca e, com isso, devemos exportar ainda mais.”, destaca o diretor-presidente da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina, Lourenço Fregonese.

Os técnicos, que atuam em diferentes regiões do Estado, conheceram a estrutura do Corredor de Exportação, o Silo Público, as moegas e shiploaders que são usados para carga e descarga de produtos, além dos sistemas informatizados que permitem o gerenciamento do embarque e desembarque de grãos.

EXPECTATIVA: Segundo levantamento do Deral, a safra de grãos no Paraná deverá ter uma variação positiva de 4% se comparada à safra 17/18. A produção dos anos 18/19 está estimada em 23,3 milhões de toneladas, enquanto que na safra 17/18 a produção foi de 22,5 milhões.

SOJA 1ª SAFRA – A soja paranaense está com o plantio adiantado, com cerca de 18% da área semeada. No mesmo período do ano passado, a seca havia prejudicado esse índice, que atingiu somente 2%. Os produtores estão plantando mais cedo com a intenção de adiantar também o plantio do milho na segunda safra, e assim escapar das geadas nos meses seguintes. “Se o clima colaborar, teremos o desenvolvimento normal do plantio até o final do ano”, conta o chefe do Deral, Marcelo Garrido.

A estimativa de produção é de 19,6 milhões de toneladas, um aumento de 2% com relação ao mesmo período do ano passado. A área plantada deverá ser de 5,4 milhões de hectares. Aproximadamente 15% da produção está comercializada, número que atende à média dos últimos três anos. A guerra comercial entre a China e os Estados Unidos é um dos fatores de influência nos preços.

MILHO – A colheita da segunda safra de milho 2017/18 foi concluída em setembro. Foi confirmada uma quebra de 25% na safra, afetada principalmente pelo período mais seco, nos meses mais frios. Foram produzidas cerca de 9 milhões de toneladas, 3 milhões a menos do que a estimativa inicial, que era de 12 milhões.

A 1ª safra 2018/19 tem quase 60% da área plantada. A produção esperada é de 3,2 milhões de toneladas, 11% a mais do que na safra 17/18.

TRIGO – A estimativa é de que sejam produzidas 2,9 milhões de toneladas. Por causa da seca, o trigo teve 15% de redução na produção em relação a expectativa inicial. A estimativa de área permanece sem alteração, totalizando aproximadamente 1,1 milhão de hectares.

Atualmente foi colhida apenas 20% da área, contra 65% no mesmo período do ano anterior, atraso esperado devido a lentidão do plantio. O volume colhido até o momento supre um mês de moagem no Paraná, deixando a indústria relativamente abastecida. “Nossa produção deve ficar excedente com o avanço da colheita”, diz o engenheiro agrônomo do Deral, Carlos Hugo Godinho.

MANDIOCA- A mandioca registrou um aumento de área de 6% nesta nova safra. Na safra passada (2017/18), essa cultura correspondia a 141.632 hectares, enquanto que na safra 18/19 são 150.730 hectares. Cerca de 80% da área já está colhida, o que está de acordo com a média dos números da safra nos últimos três anos, tanto de produção quanto de comercialização.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
  • Cotações do dia