Paraná tem finalistas em três modalidades do Prêmio Nacional de Inovação

Clientes do Programa ALI, do Sebrae/PR, disputam entre os pequenos negócios; desempenho do Estado em premiação é inédito

Paraná tem finalistas em três modalidades do Prêmio Nacional de Inovação

Pela primeira vez, o Paraná tem finalistas em três modalidades no Prêmio Nacional de Inovação – Edição 2018/2019, uma iniciativa da Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI), com realização da Confederação Nacional da Indústria e Sebrae Nacional. Em Pequenos Negócios, o Estado é representado por duas empresas participantes do Programa Agentes Locais de Inovação (ALI), do Sebrae/PR. A cerimônia de premiação será em 10 de junho, em São Paulo.

Os pequenos negócios paranaenses e atendidos pelo ALI na final são a Boulle (Curitiba) e a Empari Global Innovation (Maringá). Segundo o consultor do Sebrae/PR, Aloísio Aleixo Cerqueira, o Programa ALI auxiliou as pequenas empresas paranaenses. “Aderir ao Prêmio é uma tarefa difícil, com diversas etapas de avaliação, que visam a atestar se realmente há práticas inovadoras nas empresas. O resultado, fruto de um trabalho coletivo e desafiador, é fantástico. Pela primeira vez, o Paraná tem finalistas e em três modalidades”, comenta o consultor do Sebrae/PR.

A Boulle é finalista em duas categorias: Produtos e Processos. A empresa familiar foi fundada há 20 anos, a partir da paixão do fundador, Ugo Guttierrez Filho, por madeira maciça. Hoje são 30 colaboradores que se dedicam à fabricação de móveis e peças decorativas com matéria-prima certificada – de origem sustentável e ecologicamente correta.

Rodolpho Gutierrez, diretor e designer da Boulle, é o responsável pela criação de alguns produtos que ajudaram a alavancar os negócios. Um deles, que classificou a empresa entre os finalistas do Prêmio, é a lareira LUG, portátil, em madeira e inox. A peça representou o design brasileiro nas Olimpíadas do Rio, em 2016, na exposição na Fuori Salone, em Milão, na Itália, em 2017, e na World Design Summit, em Montreal, no Canadá, no mesmo ano.

“A lareira deu visibilidade à empresa. Foi nosso primeiro produto em série, que mostrou que poderíamos investir na fabricação de peças seriadas”, conta Gutierrez. A empresa vende produtos para os mercados interno e externo, com representantes nos Estados Unidos, Canadá e Europa. “O ALI tem um papel fundamental no crescimento e abertura de novos mercados na Boulle”, acrescenta.

Sobre os processos, Gutierrez explica que o diferencial está no atendimento próximo do cliente final. Boa parte das peças é produzida de forma personalizada, mesmo os produtos seriados podem receber detalhes conforme o desejo do cliente.

Grupo de negócios digitais, a Empari Global Innovation é finalista na categoria Organizacional. Com 12 anos de atividade, oferece produtos para a gestão de pequenas empresas, como comércios e autopeças, e tem promovido inovação em sua prática de negócios e na organização do local de trabalho.

O cofundador e presidente da Empari, Adriano Santos, diz que a participação em edições anteriores do Prêmio Nacional da Inovação, em outras premiações e em programas de inovação, a exemplo do ALI, tem possibilitado melhorias em razão dos feedbacks recebidos. “Em 2016 mudamos profundamente o modelo de gestão. Antes o foco estava na solução oferecida, hoje está na experiência do usuário”, conta Santos.

No processo de inovação, o ambiente de trabalho foi renovado em nome do bem-estar e criatividade dos 16 colaboradores, favorecendo o relacionamento com o usuário dos produtos. “Mais de um milhão de pessoas são impactadas por nossas soluções. Começamos eu e minha esposa. O reconhecimento gera gratidão aos clientes e ao time, que abraçou o sonho”, declara Santos.

Na modalidade Média Empresa, as classificadas paranaenses são a TecnoSpeed (Maringá), a Angelus (Londrina) e a CINQ Technologies (Curitiba). Em Grande Empresa, as representantes são a Aker Solutions (São José dos Pinhais) e o Grupo Boticário (São José dos Pinhais). Nesta edição do Prêmio, 1.746 empresas foram inscritas.