A JUSTIÇA TARDA, MAS NÃO FALHA

O presidente da Câmara de Vereadores de Pontal do Paraná, Fabiano Alves Maciel, popular Binho tomou posse neste dia 20 de fevereiro como prefeito municipal. O vereador assumiu o município porque o prefeito Marcos Fioranvante (Casquinha) e seu vice Fabio Oliveira tiveram seus diplomas cassados pela justiça eleitoral.

Fabiano Alves Maciel vai ficar no cargo até Justiça Eleitoral faça uma nova eleição para prefeitura de Pontal do Paraná. A presidência da Câmara de Vereadores foi repassada para o vereador Oseias Leal.

A nova eleição ainda não tem data para ser realizada, podendo ocorrer em abril, maio ou junho. Quem for eleito vai cumprir um mandato tampão até 31 de dezembro de 2020.
Os mandatos do prefeito e vice foram cassados pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) em 1ª e 2ª estância. Para a Justiça, ocorreram irregularidades em gastos na campanha eleitoral de 2016.

Conforme o tribunal, a cassação foi em virtude da formação de caixa 2 e utilização de CPFs de “laranjas” para arrecadação de recursos. A Corte entendeu que com essa conduta houve desequilíbrio do pleito.

O presidente do TRE-PR, Gilberto Ferreira, desempatou a votação, que foi por quatro votos a três, no dia 23 de outubro de 2019.
A chapa já tinha sido cassada em primeira instância, mas agora houve confirmação no Tribunal Regional Eleitoral.

No dia 30 de janeiro, o TRE indeferiu os embargos da defesa e manteve a cassação.

Em 4 de outubro haverá eleição ordinária, para eleger o prefeito que exercerá mandato entre 2021 e 2024.

Os três principais nomes a pré-candidatos ao mandato tampão são Rudão Gimenes, Edgar Rossi e o próprio Binho. Cenário este que será definido nos próximos dias.

O prefeito cassado e seu vice desde o início de sua gestão trocaram os pés pelas mãos, onde tomaram várias decisões erradas que culminaram na sua cassação.

Sendo que legislou os três primeiros anos para o seu interesse próprio e de seus asseclas. Somente neste quarto ano começou a realizar algumas obras que são precárias.

Casquinha sempre usou o termo” eu não sabia”, para se dizer inocente, inclusive nesses últimos dias na entrega de uniformes nas instituições de ensino o seu discurso era “ sou inocente, nunca fiz nada de errado”, porem de onde saíram as provas que foram aceitas nas três instâncias judiciais, se ele não fez nada de errado?

A população não é ignorante, tem memória para lembrar do passado, portanto sabem diferenciar a verdade e não se deixa mais enganar por um” não fiz nada”.

O povo não quer mais a velha política onde se governa três anos para si e para os amigos e no último ano, ano eleitoral se faz um asfalto aqui outro ali, se faz alguma roçada para conseguir votos enganando a população.

Ver a decisão

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
  • Cotações do dia