Projeto vai promover o desenvolvimento do litoral do Paraná tendo a inovação como base

Sistema Regional de Inovação visa fomentar o ambiente de negócios, atrair empresas e reter mão de obra qualificada para promover o desenvolvimento do litoral

Promover a inovação com o objetivo de impulsionar o desenvolvimento econômico e proporcionar a qualidade de vida para a população do litoral paranaense. Foi com esse objetivo que o Sebrae/PR e a Funespar (Fundação de Apoio ao Desenvolvimento da Universidade Estadual do Paraná) lançaram o Sistema Regional de Inovação do Litoral, iniciativa que busca reter a mão de obra qualificada, atrair empresas e criar oportunidades de emprego na região.

Mais de 80 representantes de empresas, órgãos públicos, instituições de ensino, ONGs e associações empresariais participaram lançamento na última sexta-feira (13), em Paranaguá.

“O engajamento e essa conexão entre os atores desse ecossistema para a potencialização das ações na nossa região é um fator estratégico. Queremos promover um desenvolvimento sustentável e inovador que respeite as particularidades da região”, afirma a consultora do Sebrae/PR, Catiane dos Santos.

A formação do projeto do SRI Litoral contou com a elaboração de uma pesquisa quantitativa e qualitativa do Sebrae/PR. O estudo traz a identificação das principais necessidades da população litorânea e de propostas que visem impulsionar o ambiente de inovação e o desenvolvimento econômico.

A pesquisa apontou que 83% acreditam que a inovação pode melhorar a vida da população no litoral e 82% defendem que um ambiente inovador pode colaborar para o empreendedorismo. Além disso, foram elencadas três áreas de grande potencial da região: a aquicultura, o empreendedorismo e o turismo, especialmente com foco na sustentabilidade. A iniciativa está primeiramente voltada para as cidades de Paranaguá, Matinhos, Guaratuba, Pontal do Paraná e Morretes, mas deverá impactar a realidade de todos os municípios do litoral paranaense.

O projeto tem como um de seus principais focos envolver a sociedade, gerar aproximação e relacionamento entre empresas, universidades da região, governo, instituições públicas, privadas e de fomento, como resultado teremos a geração de oportunidades evitando o escoamento da mão de obra qualificada. Segundo a pesquisa, existem mais de 500 pesquisadores (entre mestrado e doutorado) atuando no litoral paranaense.

A diretora-presidente da Funespar, Danyelle Stringari, destacou a importância da colaboração entre os entes para o desenvolvimento de talentos para a região. “Precisamos dos setores público e privado apoiando o ensino de qualidade e a inovação. Nossa região tem grande potencialidades e queremos reter esses talentos que vão ajudar no seu desenvolvimento. Que esse seja apenas o primeiro passo”, afirma.

O Litoral do Paraná conta com três instituições de ensino superior públicas, além de particulares que devem fomentar o ambiente de inovação. Nos próximos meses, a Unespar, uma das principais da região, deve realizar a ampliação de seu câmpus em Paranaguá.

A atuação do SRI também tem como objetivo promover a aproximação entre o poder público e o poder privado e a capacitação entre os empreendedores e a população local. O trabalho visa atingir as seis hélices necessárias para a formação do ecossistema: governo, institucional, conhecimento, habitat de inovação, empresarial e capital de fomento.

“Para isso, o objetivo é fomentar a criação de novas empresas, incubadoras, aceleradoras e instituições de fomento com foco no desenvolvimento integrado. Com um ambiente completo, as empresas locais trazem renda e empregos e isso impacta positivamente em toda a região”, afirma Silvestre Labiak Júnior, professor da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, uma das instituições parceiras.

O professor também contou um pouco sobre o trabalho de criação e consolidação do SRI no Sudoeste que completou dez anos em 2019 e se tornou um dos principais polos tecnológicos do Estado.

“O SRI foi construído com o envolvimento e o interesse de todas as pessoas da região. O poder público sozinho não resolve todos os problemas, a sociedade tem que se mobilizar. E hoje temos um polo de empresas na região e um ambiente inovador que retém a mão de obra local”, explicou.

Ações

O processo de formação do SRI no litoral contou com a assinatura de um convênio entre o Sebrae e a Funespar e com os primeiros diálogos com as universidades locais. A intenção é que as conversas para a elaboração de ações envolvam todas as seis hélices previstas de maneira integrada, além de mapear os ativos tecnológicos e os ativos de conhecimentos da região. “Queremos envolver toda a sociedade na criação dessas ações e tangibilizá-las a fim de que produzam efeitos práticos em curto, médio e longo prazos”, ressalta a consultora do Sebrae/PR, Ana Lucia Sousa.

Também está prevista a criação de políticas públicas de fomento à região. Como primeiro passo, a Fundação Araucária, que realiza o apoio ao desenvolvimento científico e tecnológico no Estado, anunciou um investimento de R$500 mil em projetos inovadores. Há ainda a possibilidade de criação de um centro de inovação na região por parte do governo do Paraná.

Além disso, o Sebrae/PR também realizará nos dias 17 e 18 de abril o primeiro hackaton do Litoral para 60 alunos do ensino técnico e universitário. Os participantes terão dois dias para elaborar uma identidade visual e um canal de comunicação para o SRI no litoral. O melhor projeto será premiado e colocado em prática. A banca de avaliação será formada por membros da sociedade civil e permitirá candidaturas até o dia 25 de março, por meio dos e-mails [email protected] e [email protected]

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
  • Cotações do dia