Parceria Abrabar e iFood prevê treinamento empresarial e curso de formalização do setor

Serviço de entrega de alimentos com uso de plataformas de internet aumentou durante a pandemia do Coronavírus

A Associação Brasileira de Bares e Casas Noturnas (Abrabar) e a iFood, plataforma de entrega de comida pronta, vão estreitar as relações nos próximos meses com a realização de treinamentos e cursos de regularização e formalização de empreendimentos do setor. Os termos da parceria foram definidos na tarde de terça-feira (24), com a presença do secretário estadual da Fazenda, Renê Garcia Junior.

A parceria começou a ser formulada com o advento da pandemia do novo Coronavírus. No período, os chamados deliverys, ganharam força devido o fechamento de bares e restaurantes devido os decretos restritivos de quarentena nos municípios. Os serviços de entrega de alimentos foi uma das soluções implantadas pelo setor, informa Fábio Aguayo, presidente da Abrabar.

A reunião, na sede da entidade em Curitiba, contou com participação do gerente de Relações Governamentais e Institucionais da iFood, Felipe Daud. A partir do encontro, ficou definida a parceria para treinamento em gestão empresarial e melhores práticas de segurança alimentar.

Também serão realizados cursos para a regularização e formalização do setor de bares e restaurantes. A parceria prevê ainda a realização de uma audiência de apresentação do iFood ao secretário da Fazenda do Paraná, Renê Junior, informa Aguayo.

Contexto
Os deliverys de alimentação foi ao solução encontrada por empressários e Microempreendedores Individuais (MEIs) para sobreviver durante a pandemia. Até o segundo semestre do ano, o país registrou a ativação de 1,15 milhão de empresas, sendo que 21,5% voltadas aos APPs de entrega de comida, segundo a Receita Federal.

Mais de 70% do setor de gastronomia e entretenimento mantiveram funcionaram exclusivamente para o delivery no período, mantendo de 50% a 70% das vendas de 2019. No Brasil, as principais plataformas possuem mais de 200 mil restaurantes parceiros em mais de mil cidades pelo Brasil.

O segmento movimenta em média R$ 17 bilhões ao ano e mantém aproximadamente quatro milhões empregos diretos e indiretos no setor. De março a agosto de 2020, o Delivery de Alimentação superou o Comércio Varejista e passou a ser a atividade com maior número de abertura de empresas no país, destaca Aguayo.

Foram mais de 352 mil, contra 339 mil varejista, segundo a RF. O formato de venda tem sido a principal fonte de renda de muitas famílias. De março a agosto deste ano, mais de 75% das empresas abertas foram MEIs. Entre 26 setores analisados, o Delivery de Alimentação é o que possui o 10º maior percentual de MEIs.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
  • Cotações do dia