Cascavel e Londrina encerram Liga Nacional de Handebol no G9

Os times paranaenses fecharam sua participação entre os nove melhores da Liga Nacional, considerada uma das principais competições da modalidade no país.

Em seis jogos, ACH/Lanali/O2 Saúde/Cascavel somou quatro vitórias e duas derrotas, marcando 168 e sofrendo 151 gols, despedindo-se da disputa em 9º lugar. Enquanto Londrina/Unicesumar/Paiquerê FM venceu três partidas, empatou uma e perdeu dois confrontos, assinalando 151 gols e tomando 164, com essa campanha encerrou o torneio na 7ª posição.

Bicampeão nacional e quatro vezes vice, Londrina chegou as quartas de final com desfalque de quatro titulares: Felipe, Bruno e Gustavo por lesão e Pará após receber cartão azul, o que, de acordo com o técnico Giancarlos Ramirez, prejudicou o rendimento do elenco, que ficou sem banco para rodar os atletas. “Começamos muito bem a competição, encerrando a primeira fase em 1º lugar do grupo C, mas o grande problema da nossa equipe foram as lesões e o cartão azul que o Pará levou, o que deixou ele de fora do jogo das quartas de final. Mesmo sem quatro titulares conseguimos fazer um bom jogo, perdendo apenas na prorrogação, contudo houve um desgaste físico muito grande, porque sobrecarregou quem estava jogando, razão essa que não conseguimos jogar contra Itajaí, perdemos por uma diferença grande. Com os jogadores um pouco mais recuperados fizemos um bom jogo contra o time de Guarulhos, que havia ficado em 3º lugar ano passado, vencendo eles por um gol”, detalhou Ramirez.

Sobre a temporada 2021, o treinador londrinense diz que ainda é uma incógnita. Segundo ele enquanto a vacina não estiver disponível dificilmente haverá segurança para reunir os jogadores para treinar.

Para o gestor e capitão da seleção cascavelense, Marcelo Rizzotto, popular Cebola, a estreia na Liga Nacional foi muito positiva. “Nos dois primeiros confrontos não conseguimos encaixar nosso jogo por falta de ritmo, porque esse ano não tivemos as fases do Campeonato Paranaense e nem os Jogos Abertos, e como nosso time não treina junto fica difícil até entrosar, mas a 9ª colocação não reflete o handebol que jogamos. No entanto, estou feliz com o time, apresentamos um handebol de qualidade, perdemos infelizmente na hora que não podíamos, mas nós estávamos em um grupo muito forte, ganhamos de São José, que está entre os quatro finalistas, então isso demonstra que nosso time fez um papel bonito, representando muito bem nossa cidade”, avaliou.

Durante o torneio, foram eleitos entre os melhores em quadra os atletas do elenco cascavelense Ceará, Guilherme, Jackson e Gabriel, além dos jogadores da equipe londrinense Pedro e Marcão, esse último ficou ainda com a artilharia da competição, ao marcar 42 gols.

Integraram o elenco do Londrina os goleiros Dado, Febas e Balão; os centrais Bruno, Rafinha, Kurita e Felipe; os pontas Zito, Erick, Pedrada e João; os armadores Edi, Marcão, Salvador, João Sodré, Pará e Hernandes; além dos pivôs Pablo e Pedro. Na comissão técnica ainda estavam o auxiliar Leandro Vinicius Floriano e o fisioterapeuta Diogo Modesto Paschualeto.

Comandado pelo treinador Danilo Vaz, o time aurinegro foi formado pelos goleiros Cubano, Flávio, Matheus e Eduardo; pelos centrais Cebola, Jackson e Breno; pelos pontas Carlito, Jair, Gui, Pedrinho e Paulinho; pelos armadores Plínio, Danilo Souza, Cyborg, Ítalo e Grilo; e pelos pivôs Ceará, Elizeu e Toko. Integraram a comissão técnica o auxiliar Ronaldo Cunha, o fisioterapeuta Kadu Aldrigue e o gerente de operações Marcos Grossi.

Os árbitros paranaenses Jefferson Souza e Natal Vilela fizeram parte da equipe de arbitragem na Liga Nacional, que contou ainda com uma dupla de Minas Gerais e outras quatro de São Paulo.

Trajetória
Cascavel e Londrina caíram no grupo C e estrearam frente a frente, protagonizando um clássico estadual acirrado, vencido pelos londrinenses por 27 a 22. Na sequência, os cascavelenses foram superados pelo elenco piauiense do GHC/Uninassau/CAIC, por 33 a 27, ao passo que Londrina empatou em 24 a 24 com os catarinenses do Avaí FC/Unisociesc/Intelbrás/São José/Nacional HC, que enfrentaram no último compromisso da primeira fase o time aurinegro, sendo derrotados por 33 a 27, resultado que não foi suficiente para classificar a serpente para as quartas de final, colocando os paranaenses na disputa pelo 9º ao 12º lugar.

Já os londrinenses encerraram invictos a fase de grupos, com uma campanha impecável. Na última partida encontraram com o GHC, imprimindo um ritmo forte do início ao fim, que culminou com o placar final em 28 a 26. Com esse saldo, Londrina avançou à próxima fase na liderança do grupo C.

Em busca do 9º lugar, Cascavel dominou o confronto contra o Vikings/Universo/Campos por 26 a 23, levou a melhor sobre o Manauense Associação Desportiva ao superar os rivais por 31 a 24, e atropelou o São Carlos AHB/Unicep por 29 a 17, encerrando sua primeira participação no torneio nacional com a 9ª posição.

Depois de um duelo equilibrado na fase mata-mata, Londrina fechou o placar no tempo normal em 22 a 22 com os paraenses do Carajás Handebol Clube e na prorrogação sucumbiu ao ataque da Fera do Norte, que encerrou o jogo em 26 a 24, eliminando os paranaenses da semifinal da competição. Na disputa pela 5ª colocação, os londrinenses perderam por 36 a 17 para os catarinenses do ADI/Aceu/Univali/Slice/FMEL/Itajaí, encontrando em seguida com o Corinthians/Vegus/Aciseg na disputa pelo 7º lugar, vencendo o duelo com uma bola de vantagem, por 31 a 30.

Final suspensa
E pela sétima vez chegaram à final as equipes paulistas do Esporte Clube Pinheiros e do Taubaté, enquanto a disputa da medalha de bronze ficou entre Nacional HC e Carajás Handebol. Porém, em virtude de sete jogadores do Pinheiros e seis membros da equipe de arbitragem testarem positivo para o vírus SARS-CoV-2 a decisão da edição 2020 da Liga Nacional foi suspensa, devendo ser remarcada nas próximas semanas uma nova data para a definição das três seleções que vão subir no pódio.

Nova testagem
Com o encerramento da competição, todos os atletas devem ser submetidos a novo exame RT-PCR nos próximos dias e ainda precisam ficar um período em quarentena. Após o término dos jogos um caso positivo de Covid-19 foi detectado no elenco do Londrina, já os demais clubes informaram que os testes realizados nos jogadores e na comissão técnica, até o momento, deram negativo.

Confira abaixo a classificação geral parcial da Liga Nacional de Handebol Masculino:

Final: Esporte Clube Pinheiros (SP) x Taubaté/FAB/UNITAU (SP)
Decisão 3º lugar: Avaí FC/Unisociesc/Intelbrás/São José/Nacional Handebol Clube (SC) x Carajás Handebol Clube (PA)
5º ADI/Aceu/Univali/Slice/FMEL/Itajaí (SC)
6º GHC/Uninassau/Caic (PI)
7º Londrina/Unicesumar/Paiquerê FM (PR)
8º Corinthians/Vegus/Aciseg (SP)
9º ACH/Lanali/O2 Saúde/Cascavel (PR)
10º UNICEP/AHB/São Carlos (SP)
11º Vikings/Universo/Campos (RJ).
12º Manauense Associação Desportiva (AM)

Os times paranaenses fecharam sua participação entre os nove melhores da Liga Nacional, considerada uma das principais competições da modalidade no país.

Em seis jogos, ACH/Lanali/O2 Saúde/Cascavel somou quatro vitórias e duas derrotas, marcando 168 e sofrendo 151 gols, despedindo-se da disputa em 9º lugar. Enquanto Londrina/Unicesumar/Paiquerê FM venceu três partidas, empatou uma e perdeu dois confrontos, assinalando 151 gols e tomando 164, com essa campanha encerrou o torneio na 7ª posição.

Bicampeão nacional e quatro vezes vice, Londrina chegou as quartas de final com desfalque de quatro titulares: Felipe, Bruno e Gustavo por lesão e Pará após receber cartão azul, o que, de acordo com o técnico Giancarlos Ramirez, prejudicou o rendimento do elenco, que ficou sem banco para rodar os atletas. “Começamos muito bem a competição, encerrando a primeira fase em 1º lugar do grupo C, mas o grande problema da nossa equipe foram as lesões e o cartão azul que o Pará levou, o que deixou ele de fora do jogo das quartas de final. Mesmo sem quatro titulares conseguimos fazer um bom jogo, perdendo apenas na prorrogação, contudo houve um desgaste físico muito grande, porque sobrecarregou quem estava jogando, razão essa que não conseguimos jogar contra Itajaí, perdemos por uma diferença grande. Com os jogadores um pouco mais recuperados fizemos um bom jogo contra o time de Guarulhos, que havia ficado em 3º lugar ano passado, vencendo eles por um gol”, detalhou Ramirez.

Sobre a temporada 2021, o treinador londrinense diz que ainda é uma incógnita. Segundo ele enquanto a vacina não estiver disponível dificilmente haverá segurança para reunir os jogadores para treinar.

Para o gestor e capitão da seleção cascavelense, Marcelo Rizzotto, popular Cebola, a estreia na Liga Nacional foi muito positiva. “Nos dois primeiros confrontos não conseguimos encaixar nosso jogo por falta de ritmo, porque esse ano não tivemos as fases do Campeonato Paranaense e nem os Jogos Abertos, e como nosso time não treina junto fica difícil até entrosar, mas a 9ª colocação não reflete o handebol que jogamos. No entanto, estou feliz com o time, apresentamos um handebol de qualidade, perdemos infelizmente na hora que não podíamos, mas nós estávamos em um grupo muito forte, ganhamos de São José, que está entre os quatro finalistas, então isso demonstra que nosso time fez um papel bonito, representando muito bem nossa cidade”, avaliou.

Durante o torneio, foram eleitos entre os melhores em quadra os atletas do elenco cascavelense Ceará, Guilherme, Jackson e Gabriel, além dos jogadores da equipe londrinense Pedro e Marcão, esse último ficou ainda com a artilharia da competição, ao marcar 42 gols.

Integraram o elenco do Londrina os goleiros Dado, Febas e Balão; os centrais Bruno, Rafinha, Kurita e Felipe; os pontas Zito, Erick, Pedrada e João; os armadores Edi, Marcão, Salvador, João Sodré, Pará e Hernandes; além dos pivôs Pablo e Pedro. Na comissão técnica ainda estavam o auxiliar Leandro Vinicius Floriano e o fisioterapeuta Diogo Modesto Paschualeto.

Comandado pelo treinador Danilo Vaz, o time aurinegro foi formado pelos goleiros Cubano, Flávio, Matheus e Eduardo; pelos centrais Cebola, Jackson e Breno; pelos pontas Carlito, Jair, Gui, Pedrinho e Paulinho; pelos armadores Plínio, Danilo Souza, Cyborg, Ítalo e Grilo; e pelos pivôs Ceará, Elizeu e Toko. Integraram a comissão técnica o auxiliar Ronaldo Cunha, o fisioterapeuta Kadu Aldrigue e o gerente de operações Marcos Grossi.

Os árbitros paranaenses Jefferson Souza e Natal Vilela fizeram parte da equipe de arbitragem na Liga Nacional, que contou ainda com uma dupla de Minas Gerais e outras quatro de São Paulo.

Trajetória
Cascavel e Londrina caíram no grupo C e estrearam frente a frente, protagonizando um clássico estadual acirrado, vencido pelos londrinenses por 27 a 22. Na sequência, os cascavelenses foram superados pelo elenco piauiense do GHC/Uninassau/CAIC, por 33 a 27, ao passo que Londrina empatou em 24 a 24 com os catarinenses do Avaí FC/Unisociesc/Intelbrás/São José/Nacional HC, que enfrentaram no último compromisso da primeira fase o time aurinegro, sendo derrotados por 33 a 27, resultado que não foi suficiente para classificar a serpente para as quartas de final, colocando os paranaenses na disputa pelo 9º ao 12º lugar.

Já os londrinenses encerraram invictos a fase de grupos, com uma campanha impecável. Na última partida encontraram com o GHC, imprimindo um ritmo forte do início ao fim, que culminou com o placar final em 28 a 26. Com esse saldo, Londrina avançou à próxima fase na liderança do grupo C.

Em busca do 9º lugar, Cascavel dominou o confronto contra o Vikings/Universo/Campos por 26 a 23, levou a melhor sobre o Manauense Associação Desportiva ao superar os rivais por 31 a 24, e atropelou o São Carlos AHB/Unicep por 29 a 17, encerrando sua primeira participação no torneio nacional com a 9ª posição.

Depois de um duelo equilibrado na fase mata-mata, Londrina fechou o placar no tempo normal em 22 a 22 com os paraenses do Carajás Handebol Clube e na prorrogação sucumbiu ao ataque da Fera do Norte, que encerrou o jogo em 26 a 24, eliminando os paranaenses da semifinal da competição. Na disputa pela 5ª colocação, os londrinenses perderam por 36 a 17 para os catarinenses do ADI/Aceu/Univali/Slice/FMEL/Itajaí, encontrando em seguida com o Corinthians/Vegus/Aciseg na disputa pelo 7º lugar, vencendo o duelo com uma bola de vantagem, por 31 a 30.

Final suspensa
E pela sétima vez chegaram à final as equipes paulistas do Esporte Clube Pinheiros e do Taubaté, enquanto a disputa da medalha de bronze ficou entre Nacional HC e Carajás Handebol. Porém, em virtude de sete jogadores do Pinheiros e seis membros da equipe de arbitragem testarem positivo para o vírus SARS-CoV-2 a decisão da edição 2020 da Liga Nacional foi suspensa, devendo ser remarcada nas próximas semanas uma nova data para a definição das três seleções que vão subir no pódio.

Nova testagem
Com o encerramento da competição, todos os atletas devem ser submetidos a novo exame RT-PCR nos próximos dias e ainda precisam ficar um período em quarentena. Após o término dos jogos um caso positivo de Covid-19 foi detectado no elenco do Londrina, já os demais clubes informaram que os testes realizados nos jogadores e na comissão técnica, até o momento, deram negativo.

Confira abaixo a classificação geral parcial da Liga Nacional de Handebol Masculino:

Final: Esporte Clube Pinheiros (SP) x Taubaté/FAB/UNITAU (SP)
Decisão 3º lugar: Avaí FC/Unisociesc/Intelbrás/São José/Nacional Handebol Clube (SC) x Carajás Handebol Clube (PA)
5º ADI/Aceu/Univali/Slice/FMEL/Itajaí (SC)
6º GHC/Uninassau/Caic (PI)
7º Londrina/Unicesumar/Paiquerê FM (PR)
8º Corinthians/Vegus/Aciseg (SP)
9º ACH/Lanali/O2 Saúde/Cascavel (PR)
10º UNICEP/AHB/São Carlos (SP)
11º Vikings/Universo/Campos (RJ).
12º Manauense Associação Desportiva (AM)

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
  • Cotações do dia